sábado, 6 de setembro de 2014

Você sabe realmente o que foi a Ku Klux Klan (KKK)?! Considerações importantes...

Muito se tem falado sobre a Ku Klux Klan, cuja sigla KKK remonta a um período de grande terror na história recente dos Estados Unidos da América. Entretanto, no Brasil, pouco se fala sobre o que tenha sido esse “grande movimento racial”. No post de hoje vamos tentar desmistificar algumas histórias em torno da KKK e também tentar trazer a verdade sobre este grupo que causou grande violência e brutalidade, principalmente na região sul norte-americana.

1. Ku Klux Klan (KKK) é o nome de inúmeras organizações racistas dos Estados Unidos. Portanto, ao contrário do que muitos imaginam, não se trata de um movimento único e unido, mas uma série de movimentos sob os mesmos ideais;

2. A KKK se apoia na supremacia dos brancos sobre os negros e no Protestantismo como religião “correta” a ser seguida e professada. Ou seja, se baseia no padrão conhecido como “WASP” – white, anglosaxon, protestant –, portanto, brancos, descendentes dos ingleses conhecidos como “pioneiros” e protestantes na fé;

3. A Ku Klux Klan, em seu período mais forte, foi localizada com atos de violência principalmente no sul dos Estados Unidos, principalmente nos estados do Texas, Mississipi, Missouri, Tennessee, Louisiana e Georgia. Esses são estados que, historicamente, mais abrigaram os negros escravos americanos, libertos somente em 1865 a contragosto dos senhores de terras;

4. A primeira Ku Klux Klan foi fundada pelo General Nathan Bedford Forrest da cidade de Pulaski, no Tennessee, em 1865, após o final da Guerra Civil Americana (Guerra de Secessão). Seu objetivo era impedir a integração social dos negros recém-libertados, como por exemplo, adquirir terras e ter direitos concedidos aos outros cidadãos, como votar;

5. O registro mais antigo do nome da organização como Ku Klux Klan vem de 1867, e parece derivar do grego “kýklós”, “anel”, e da palavra inglesa “clan”. Devido aos métodos violentos da KKK, há a hipótese de o nome ter-se inspirado no som feito quando se coloca um rifle pronto para atirar;


6. Em 1872, pouco tempo depois da sua fundação, o grupo foi reconhecido pelo governo dos Estados Unidos como uma entidade terrorista e proibida do território nacional daquele país, quando começaram as atividades conspiratórias e clandestinas;

7. O segundo grupo intitulado KKK foi fundado em 1915, na cidade de Atlanta, por William Simmons. Alguns pesquisadores afirmam que a fundação da “nova” Ku Klux Klan tenha acontecido em função do lançamento do filme, hoje clássico da história do cinema, “O nascimento de uma nação”;

8. Este grupo foi criado como uma organização fraternal e lutou pelo domínio dos brancos protestantes sobre os negros, católicos, judeus e asiáticos, assim como outros imigrantes. Acabou se tornando famoso pelos linchamentos e enforcamentos e demais atividades extremamente violentas contra seus “inimigos”;

9. A segunda fase da KKK chegou a ter mais de cinco milhões de membros formais inscritos em seus arquivos e participando de suas atividades em todo território norte-americano na década de 1920, incluindo muitos políticos de extrema direita e demais personalidades do mundo artístico. A popularidade da Ku Klux Klan foi gradativamente diminuindo durante a Grande Depressão (1929-1933) e na Segunda Guerra Mundial (1939-1945);

10. O senso comum faz acreditar que a KKK tenha sido um movimento estritamente branco que se opôs aos negros. Entretanto, a verdade é outra bem mais complexa. De acordo com seus membros, deveria haver uma “purificação racial” nos Estados Unidos através da eliminação de povos indígenas, negros (estes recém-alforriados da escravidão), católicos, judeus (discurso antissemita) e imigrantes de qualquer espécie (naquele período os Estados Unidos recebiam grande força de imigrantes vindos da Irlanda, Polônia, Alemanha, Itália e Inglaterra). Acreditava-se que esses grupos tiravam as oportunidades de crescimento econômico dos grupos dominantes, os “Wasp”;


11. A perda da respeitabilidade da Ku Klux Klan devido aos métodos brutais, ilegais ou meramente arbitrários e as execuções sumárias de inocentes, unidas as divisões internas, levou à degradação de seu prestígio junto à opinião pública norte-americana;

12. Apesar de a organização continuar a realizar expedições punitivas, desempenhando, por exemplo, o papel de supervisora de uma agremiação de patrões contra os sindicalistas, cuja cota estava em alta depois da crise de 1929;

13. Na década de 1930, o Nazismo exerceu uma certa atração sobre a Ku Klux Klan. Não passou disso, porém. A aproximação com os alemães foi bruscamente encerrada na Segunda Guerra Mundial, depois do ataque japonês à base estadunidense de Pearl Harbor, quando muitos membros se alistaram no exército para lutar contra o “perigo amarelo”;

14. Só faltava o tiro de misericórdia ao império invisível. Em 1944, o serviço de contribuições diretas cobrou uma dívida da Ku Klux Klan, pendente desde 1920. Incapaz de honrar o compromisso, a organização morreu pela segunda vez;

15. Apesar de diversas tentativas de ressurreição (num âmbito mais local que nacional), a Ku Klux Klan não obteve mais o sucesso de antes da guerra. Finalmente, Stetson Kennedy contribuiu para desmistificar a organização, liberando todos os seus segredos no livro “Eu fiz parte da Ku Klux Klan”;


16. Recentemente, a partir da segunda metade dos anos 1990, alguns “klanistas” ainda insistiram e suscitaram, temporariamente, uma retomada de interesse entre os Wasp, na tentativa de impedirem as imigrações latinas e orientais para os Estados Unidos. Entretanto houve grande frustração nesta tentativa de uma terceira KKK;

17. Na década de 1950, a promulgação da lei contra a segregação nas escolas públicas despertou novamente algumas paixões, e cruzes se acenderam. Seguiram-se batalhas, casas dinamitadas e novos crimes (29 mortos de 1956 a 1963, entre eles 11 brancos, durante protestos raciais). Os klanistas tentaram se reciclar no anticomunismo, combatendo os índios ou atenuando seu anticatolicismo fanático;

18. Dois símbolos muito importantes dentro da cultura KKK são: o primeiro, as cruzes em chamas para intimidar as pessoas; e segundo, os membros, todos homens, vestindo roupas brancas como batas e com capuzes pontiagudos escondendo sua identificação;

19. Com o tempo, os métodos da Ku Klux Klan não se haviam modificado de maneira sensível; agora, como antes, se balanceava (processo pelo qual se fazia deslizar uma vítima manietada por uma estreita barra de aço, dolorosamente, para cima e para baixo, a toda velocidade para criar atrito), espancava, extorquia, boicotava, exilava, linchava e assassinava;

20. Recentemente, durante os governos de George Bush e de seu filho George W. Bush, o KKK tentou se reerguer com vários nomes em associações locais, nenhuma de âmbito nacional: Imperial Klans of America, Knights of the Ku Klux Klan e Knights of the White Camelia;


21. De acordo com os historiadores das épocas contemporâneas, o neonazismo seria um movimento com maior participação das pessoas por ter membros em todo o mundo, ao contrário das organizações contemporâneas que se intitulam herdeiras da KKK, se resumindo a “grupelhos” com pouca adesão das pessoas;

22. Durante seu período de auge, no início do século 20, a Ku Klux Klan realizava enormes reuniões à noite para causar impacto nas pessoas e incrementar o medo. Queimavam cruzes, entoavam hinos religiosos, andavam a galope de cavalo, soltavam fogos de artifício e, às vezes, faziam paradas cívicas em datas importantes no calendário norte-americano;

23. De início a KKK só admitia como membros aquelas pessoas oriundas de pais brancos estadunidenses, nascidas nos Estados Unidos; além disso, os pais não podiam comungar na religião católica nem pertencer ao judaísmo. Mais tarde deixou-se caducar a exigência de que os pais já deviam ser de nacionalidade estadunidense, pois este ponto prejudicara em muito a solícita procura de membros para a KKK e a afluência de meios de contribuição de sócios;

24. O candidato era submetido a um interrogatório gigantesco e a provas de força física e psicológica. Em seguida, se passasse, era instruído que a Ku Klux Klan exigia de todos os seus membros obediência cega, inclusive capacidade de matar gratuitamente. Seguia-se, então, o juramento, o batismo, a ordenação e a apostasia, com a leitura dos parágrafos da fé da KKK em que muito se tratava da raça branca e da religião cristã;

25. Historicamente, por ser uma associação que junta pessoas influentes e políticos, os crimes que a Ku Klux Klan cometeu jamais foram julgados, principalmente nas cortes do sul dos Estados Unidos, porque advogados e juízes faziam parte da KKK. Os crimes são variados e numerosos, cuidadosamente velados;


26. Um dos elementos principais da cultura cinematográfica e da história do cinema é o filme “O nascimento de uma nação”, que dá grande força ao preconceito racial e ao preconceito social, bem como fazendo forte alusão ao Ku Klux Klan;

27. Muita atenção aos brasileiros que não conhecem o inglês e costumam teclar com norte-americanos! Na hora de rir, é importante nunca escrever “KKK”, pois lá isso significa que você faz parte da ideologia da Ku Klux Klan. A pessoa pode cortar o assunto e deixá-lo a ver navios no meio do papo;

28. Atualmente, a Ku Klux Klan conta apenas com um efetivo de três mil homens em todos os antigos “estados confederados”, apesar do baixo número de associados, muitos não-associados apoiam a organização.