terça-feira, 23 de setembro de 2014

Você conhece a história conhecida como “Grande engodo da Lua”? Conheça no post de hoje!

Grande engodo da Lua” se refere a uma série de seis artigos jornalísticos que foram publicados no antigo tabloide “The Sun”, de Nova York (não confundir com o famoso tabloide inglês “The Sun”, fundado somente no século 20), saindo a primeira publicação em 25 de agosto de 1835, falando sobre o suposto descobrimento de vida e civilização avançada na Lua. Tais descobertas foram falsamente atribuídas ao astrônomo renomado John Herschel. No dia 21 de agosto, o jornal anunciou que em breve seria anunciada uma enorme descoberta científica que revolucionaria todos os pensamentos religiosos, científicos, sociais e antropológicos de até então.


Muitas pessoas confundem a história conhecida no meio histórico da comunicação como “Grande engodo da Lua” como sendo a possível farsa do pouso do Homem na Lua na década de 1960 (assunto já tratado anteriormente neste blog), mas não tem nada a ver com isso. Pelo contrário, a lenda do “Grande engodo da Lua” foi ao público mais de cem anos antes de a humanidade pisar no satélite natural do planeta Terra.

Sobre o artigo...
A manchete sensacionalista do primeiro artigo dizia: “GRANDIOSA DESCOBERTA ASTRONÔMICA FEITA POR JOHN HERSCHEL NO CABO DA BOA ESPERANÇA”. O texto descrevia animais fantásticos vivendo na Lua, incluindo bisões, bodes, cabras, unicórnios, castores e humanoides alados, chamados de “vespertilio-homo”, que construíram templos para adorar um deus-Sol. Nas supostas descobertas de Herschel havia ainda densas florestas na lua, grandes lagos, um oceano e praias; de acordo com o jornal, as descobertas foram feitas a partir de um “imenso e inimaginável telescópio extremamente potente”.

(Nas imagens abaixo, os supostos seres alados viventes da Lua)



Entretanto, para a desgraça da humanidade, o jornal anunciou que esse imenso telescópio teve vida curta por causa do efeito de sua lente e o calor do sol, que em contato com os raios solares fizeram o laboratório astronômico se incendiar de maneira trágica, matando algumas pessoas e deixando tantas outras feridas.

Autoria dos artigos...
A autoria dos artigos tem sido atribuída a Richard Adams Locke, um professor inglês que também exercia a função de jornalista no “The Sun” em agosto de 1835. Entretanto, ele nunca admitiu publicamente a autoria dos artigos mentirosos, enquanto rumores apontam que outros jornalistas também entraram na “brincadeira”: Jean-Nicholas Nicollet (um astrônomo amador francês, imigrante em Nova York) e Lewis Gaylord Clark (editor do jornal).

Se assumirmos a Richard Locke a autoria do “Grande engodo da Lua”, podemos pensar que suas intenções eram, provavelmente, criar uma história sensacionalista para aumentar as vendas do jornal e ainda ridicularizar algumas teorias de astrônomos extravagantes em voga naquela época, no século 19. Por exemplo, em 1824 o astrônomo alemão Fraz Gruthuisen afirmou que a Lua tinha uma série de canais irrigados, campos de lavoura e provavelmente uma civilização avançada.


Outro ponto que não podemos esquecer é que Locke era extremamente cético em relação às descobertas científicas, e com toda certeza, em seus artigos estava debochando do reverendo Thomas Dick, mais conhecido na Inglaterra como “filósofo cristão”. Dick, em uma publicação polêmica, dizia que o nosso Sistema Solar teria uma população de pouco mais de 21 trilhões de habitantes. Nos seus escritos, só a Lua teria mais de quatro trilhões de habitantes.

Reações quanto aos artigos do “Grande engodo da Lua”...
De acordo com relatos da época, a venda do “The Sun” aumentou extremamente com a publicação dos artigos sobre a população lunar; com o fim das publicações, ele já era um jornal de sucesso e competitivo. Ainda de acordo com a história, demorou cerca de seis meses para que as pessoas comuns descobrissem que a história envolvendo a Lua era um enorme boato debochando das supostas descobertas científicas do século 19, tais descobertas repletas de “achismos”.

No início, Herschel se divertiu muito com os artigos, mas depois se aborreceu com as reclamações de pessoas que acreditaram na história dos habitantes lunares. Diz a lenda que ele chegou a ser demitido de uma escola onde ensinava porque o diretor não gostou do suposto envolvimento do astrônomo com a brincadeira de mal gosto.