quinta-feira, 26 de junho de 2014

Mitos, curiosidades, fatos e farsas (36)

Ao longo da história as sociedades passaram inúmeros mitos e curiosidades que foram – e ainda são – encarados como fatos. No entanto, não passam de folclores que escondem farsas incríveis e bastante inventivas. Vamos, então, descobrir um pouco delas? Voilà!

Por que Roma é também conhecida como “Cidade eterna”?
Tudo começa na Antiguidade, quando Roma tornou-se a capital do vastíssimo Império Romano – veja a ligação entre o nome do enorme Estado e da cidade. Por ser uma cidade tão importante, ganhou o apelido de “cidade eterna” por guardar nela os resquícios da comunidade romana e, ainda, a sede da maior instituição do período medieval: a Igreja católica, tida também como uma instituição eterna. Portanto, todo o legado histórico e arquitetônico de Roma fizeram com que ela fosse considerada eterna, por misturar estilos diferentes de tempos diferentes, mesclando o antigo e o novo.


Por que Paris também tem é chamada de “Cidade-luz”?
Muitas pessoas acreditam que a capital da França tenha esse apelido porque foi a primeira cidade a ter luz elétrica. Isso não é verdade; na realidade, o nome nada tem a ver com eletricidade, luz a gás, invenções mirabolantes etc. Paris tornou-se a “Cidade-luz” no século 18, nas vésperas da Revolução Francesa. Isto porque foi o local onde moravam e debatiam os estudiosos do Iluminismo, movimento intelectual que pregava “tirar o mundo das trevas” – ou seja, explanar o uso da razão e da filosofia contra as superstições, folclores populares, lendas e religiosidade. O movimento ganhou adeptos em todo o mundo e muitos jovens iam a Paris estudar tais ideias, que influenciaram nos movimentos de independência das colônias no continente americano; assim, Paris ganhou o apelido de “cidade luz dos homens, aquela que os guia da escuridão à luz do conhecimento”.


Existem os chamados “alimentos detergentes”?
Sim, existem. Alimentos detergentes são aqueles que agem como “detergentes” durante a mastigação auxiliando na limpeza bucal, eliminação de cáries e placas. Esses alimentos são, na sua maioria de consistência firme, possuem pouco teor de açúcar e muitas fibras que são de difícil deterioração durante a mastigação. O atrito dos dentes decorrentes do ato de mastigar ajuda a remover de modo superficial, resíduos e bactérias que se localizam na placa. A riqueza desses alimentos em fibras proporciona um considerável aumento da produção de saliva e elevam o pH da boca, o que reduz a acidez. Mas atenção! Esses alimentos não substituem o uso da escova de dente, do fio dental ou do antisséptico bucal, somente auxiliam na higienização da boca. Alguns deles são: mamão, cenoura, maçã, pera e chiclete sem adição de açúcar. Outros alimentos também tem essa função, são eles: pepino, acelga e o aipo, além das nozes e castanhas. Com poder adstringente e bactericida, o limão também é um ótimo aliado. Ele elimina as bactérias presentes na boca e no sistema digestivo. Outro adstringente natural é o gengibre, que estimula alguns processos digestivos por fazer parte da categoria dos alimentos antioxidantes e anticoagulantes. Acrescentar gengibre às refeições ou carregar balinhas da planta podem ser estratégias simples para combater o mau hálito. Mastigar folhas de hortelã para acelerar a digestão é outra dica do dentista.

O que seriam as chamadas “experiências proibidas”?
De acordo com a filosofia da ciência, ramo da filosofia que estuda os processos de metodologia das pesquisas científicas, as experiências proibidas seriam aquelas que transpassam os interesses biológicos e éticos. A principal experiência proibida, segundo muitos teóricos, seria a das “crianças selvagens”, aquela em que seres humanos são deixados ao relento nas florestas para que animais pudessem cuidar deles e tais seres humanos se transformam em feras; nas mitologias temos vários exemplos (como na foto abaixo, o mito fundador de Roma, em que Romulo e Remo foram criados por uma loba), além de alguns na vida cotidiana. Entretanto, as novas correntes apontam que a experiência proibida mais impedida até hoje já seja a clonagem de seres humanos.


A groselha e o tutti-frutti são sabores de frutas que realmente existem?
A groselha realmente existe e é um doce fruto (foto abaixo) da groselheira. Muito utilizada para a fabricação de xaropes, algo apreciado entre portugueses e brasileiros como bebida quando misturado à água ou ao leite. Também faz parte da culinária de alguns países europeus, principalmente os do norte da Europa, entre ingredientes de tortas e doces variados. Já o tutti-frutti não existe, sendo um sabor criado no final do século 19 misturando os sabores de frutas vermelhas, tais como o morango, a amora, a maçã, a framboesa e a cereja. O nome vem do italiano e significa “todas as frutas”.