quinta-feira, 10 de abril de 2014

Você conhece o motivo de os nazistas usarem triângulos em seus prisioneiros? E o que cada cor representava? Conheça agora!

Os campos de concentração nazistas, durante o período da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), possuíam um sistema de figuras geométricas baseadas em triângulos para auxiliar a identificação do tipo de pessoa que a portava, e se tinha “direitos maiores” ou não em relação aos demais prisioneiros. É com respeito às cores, as inclinações e a sobreposição das figuras que se baseavam os critérios para classificação dos segregados em seus respectivos lugares (campos). Como a filósofa e jornalista Hannah Arendt disse, isso faz parte de um complexo e eficaz sistema de burocratização da morte através do aparato do Estado, que classificava e etiquetava as “mercadorias” (como os nazistas falavam de seus prisioneiros em textos oficiais).



Os triângulos coloridos...
Diante desta gigantesca estrutura da morte nos campos de concentração e para efeito de transporte de prisioneiros que cumpriam tarefas fora dos campos, em vez de números, os administradores tiveram de elaborar uma engenhosa solução gráfica de identificação, que os facilitava no monitoramento entre outros cidadãos que trabalhavam nas indústrias bélicas.

Esses prisioneiros, requeridos a serviço dentro ou fora dos campos, eram obrigados a usar triângulos coloridos nas vestes para sua rápida identificação ao longe. Eram as cores dos triângulos que facilitavam identificar tanto o campo de origem do prisioneiro como seu idioma. Como esses campos eram organizados para atender o idioma dos prisioneiros, a nacionalidade e/ou preferência política, alguns historiadores entenderam que os triângulos teriam a obrigação de responder sua etnia (no sentido de raça e religião). Desse modo, com ou sem etnia, as cores variariam muito de campo para campo e de lugar para lugar. As tonalidades mais comuns correspondiam aos campos mais populosos.

Veja como era a questão das cores no contexto dos triângulos:

- Amarelo: prisioneiros judeus com dois triângulos sobrepostos a fim de formar a Estrela de Davi, com a palavra “Jude” (judeu) escrita por cima. Os que eram considerados parcialmente judeus, somente com o pai ou a mãe da religião judaica, usavam somente a estrela amarela na roupa;
- Vermelho: dissidentes políticos, incluindo comunistas, sociaisdemocratas, liberais, anarquistas e maçons;
- Verde: criminosos comuns. Criminosos de ascendência ariana recebiam frequentemente privilégios especiais nos campos e poder sobre outros prisioneiros, como os chefes dos blocos e tinham alimentação melhor e mais folgas;
- Roxo: basicamente aplicava-se a todos os objetores de consciência por motivos religiosos, por exemplo, as Testemunhas de Jeová, que se negavam a participar dos empenhos militares da Alemanha nazista e a renegar sua fé assinando um termo declarando que serviriam a Adolf Hitler;
- Azul: imigrantes. Foram usados, por exemplo, pelos prisioneiros espanhóis que se exilaram na França a seguir à derrota na Revolução Espanhola contra Franco, e que mais tarde foram deportados para a Alemanha considerados como apátridas;
- Marrom: ciganos;
- Preto: lésbicas e mulheres “antissociais”, como alcoólatras, grevistas, feministas, deficientes e mesmo anarquistas. Os arianos casados com judeus recebiam um triângulo negro sobre um amarelo.
- Rosa: homossexuais masculinos.


A questão dos triângulos invertidos...
Os triângulos coloridos cumpriam a missão de identificar os detentos quando mandados para trabalhar em alguma fábrica ou no ir e vir às cidades; logo alguns segregados (astutamente) descobriram que invertendo o lado do triângulo o mesmo mudava de cor. Essa cor de fundo facilitava ao elemento se comunicarem com outros campos ou em alguns casos cumprir tarefas num campo menos vigiado e depois fugir. Essa solução, entretanto, foi descoberta e algum administrador elaborou outra solução sobrepondo os triângulos de algumas classes. Assim ficou:

- Dois triângulos sobrepostos amarelo, o emblema "Amarelo", um judeu;
- Triângulo vermelho invertido sobreposto em um amarelo-prisioneiro político judeu;
- Verde em cima de um triângulo invertido amarelo um judeu “criminoso habitual” (homicida, estelionatário, estuprador etc);
- Triângulo roxo invertido sobrepostas em um amarelo correspondia a uma Testemunha de Jeová de ascendência judaica;
- Triângulo invertido rosa sobreposta a um amarelo: um delinquente sexual judaico ou um homossexual judeu;
- Triângulo preto invertido sobrepostas em um amarelo, “antissocial” e “trabalho tímido” judeus;
- Triângulo preto superposto sobre um triângulo amarelo, um judeu condenado de miscigenação e rotulados como um profanador da “raça”;
- Triângulo amarelo sobreposto a um triângulo preto invertido, um ariano (mulher) condenado por miscigenação e rotulados como um profanador “raça”.


As letras sobre os triângulos...
Além do código das cores, alguns subgrupos tinham o complemento de uma letra localizada no centro do triângulo, para especificar prefixo do país de origem do prisioneiro. Isso facilitava na remoção das “mercadorias” para evitar um grupo étnico muito grande num mesmo campo a fim de evitar motins. Quanto menos se entendessem, melhor seria para o regime totalitário. Vejamos abaixo alguns exemplos:

B para belgas.
F para franceses.
I para italianos.
K para russos ou comunistas em geral.
P para poloneses.
D para alemães.
JUDEN para judeus de um modo geral.
S para espanhóis.
T para tchecos.
U para húngaros.

As barras sobre os triângulos...
Além de todo esse sistema complexo de identificações nos campos de trabalho e extermínio do nazismo, no caso de reincidência por algum crime que o prisioneiro tenha cometido e não tenha sido condenado à morte, era colocada uma barra colorida em seu triângulo ou estrela. Assim:

Um prisioneiro político teria uma barra vermelha sobre a sua estrela ou triângulo;
Um criminoso habitual teria uma barra verde;
Um trabalhador forçado estrangeiro teria uma barra azul;
A Testemunha de Jeová teria uma barra púrpura;
Infratores teria uma barra rosa;
Um antissocial teria uma barra preta;
Cigano teria uma barra marrom.