terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Estranha criatura humanoide é encontrada em praia da Austrália...

Uma criatura humanoide, pequena, viva – que está sendo chamada de “bebê sereia” e “alien do mar” – foi supostamente encontrada em uma praia na província de Queensland, na Austrália. O vídeo do You Tube, abaixo, mostra um pouco sobre o estranho ser.


Os comentários expressam ceticismo e descrédito das pessoas e da comunidade científica, embora, à primeira vista, tais imagens sejam bastante nítidas, com mais nitidez que muitos dos vídeos publicados no canal que promete imagens de fantasmas, extraterrestres ou criaturas bizarras.

O vídeo acima foi postado no dia 05 de outubro de 2012 por um usuário que apenas se identifica como Stewart H. De acordo com alguns biólogos, o “crime” de Stewart foi sofrer de compaixão. Ele escreve que se sentiu estar diante de um ser vivo raro na Terra, angustiado e em perigo de morte. Por isso, ao invés de capturá-lo e exibi-lo, provavelmente morto ao mundo, escolheu devolvê-lo ao seu habitat óbvio: o mar.


Depois de terem assistido ao vídeo muitos céticos e cientistas disseram que o que Stewart fez foi um enorme “prejuízo” para a ciência, uma vez que seria um enorme passo em relação ao que conhecemos sobre a nossa própria vida neste planeta. Entretanto, grupos de proteção ao meio ambiente protestaram, dizendo que a curiosidade humana não tem limites – mesmo que a vida do pequeno ser estivesse em jogo. Considerando a possibilidade do vídeo não ser uma farsa, os ambientalistas afirmaram, na época, que a atitude de Stewart demonstraria um tipo de solidariedade e sensibilidade humana que quase já não existem mais, priorizando a vida.

Do ponto de vista da filosofia da ciência, ramo da Filosofia que prioriza estudar a metodologia da ciência em suas descobertas e a ética que esta tem implicado na sociedade planetária – tanto animais e plantas, como os seres humanos e meio ambiente em geral –, ninguém parou e pensou por um instante: “Como qualquer um de nós se sentiria se, ao invés de ser socorrido em situação semelhante, fosse ‘coletado’ e morresse a meio caminho de um laboratório para acrescentar um novo”.

Em relação a este dilema, muitos ufólogos responderam que os alienígenas têm feito isso arbitrariamente há vários séculos através das abduções e relatos de humanos que relatam as experiências dentro de aeronaves espaciais, como coleta de sangue, de fluidos corporais etc.


Já para o grupo dos céticos a história é diferente: o “bebê sereia” poderia ser uma montagem de dispositivo eletrônico modelado em silicone, uma forma de bonequinho controlado eletronicamente conforme o vídeo mostra seus movimentos erráticos e pouco naturais. Isso seria feito para atrair audiência para o canal de Stewart, que sempre prometeu trazer o bizarro e sobrenatural, inclusive publicando vídeos que publicamente já foram desmentidos por especialistas e até mesmo pelos produtores destes.

Na realidade, nunca saberemos a verdadeira história do “bebê sereia”. (1) O vídeo é motivo de pura controvérsia como apontamos no parágrafo acima; (2) Stewart alegou que ficou com pela do animal e o devolveu para o mar, perdendo-o; (3) Com a gravação somente como prova fica difícil sabermos do que se trata, pois faltam exames de sangue e de DNA. Desta forma, ficará sempre uma pergunta no ar: o que será realmente esta criatura nas areias de Queensland?