terça-feira, 5 de novembro de 2013

Noite oficial dos Ovni’s: você conhece esta história da ufologia brasileira?

Nas últimas duas décadas o Brasil tem despontado como um dos principais pontos de investigações relacionadas aos discos voadores, como avistamentos e possíveis abduções. Apesar do aumento no interesse dos ufólogos brasileiros e de outros países nos últimos 20 anos, desde a década de 1930 há relatos muito importantes que mexem na curiosidade popular e de pesquisadores, de crédulos e céticos, de leigos e especialistas.


No post de hoje vamos abordar um dos temas mais interessantes sobre a história da ufologia brasileira, a chamada “Noite oficial dos Ovni’s”, termo cunhado pelos pesquisadores do caso para descrever a aparição de vários supostos discos voadores sobre o Brasil, de acordo com informações do alto comando da Aeronáutica brasileira. Esse é um dos poucos fatos relacionados à ufologia que o comando militar brasileiro concorda na sua existência, e nos últimos anos muito mais pode vir à tona.

A abertura dos arquivos brasileiros...
Nos últimos anos, o Governo Federal, através de uma atitude programada dentro da sua campanha pela presidenta Dilma Rousseff, há a chamada “Comissão da verdade”, que visa investigar os desaparecimentos e torturas realizadas no período da Ditadura Brasileira (1964-1985). Entretanto, essa abertura dos arquivos brasileiros desde os tempos do Segundo Império até os dias de hoje pode revelar muito mais do que a própria Ditadura.

1º aspecto: Com a abertura dos acervos de documentos e relatórios da Polícia Federal, Aeronáutica, Marinha e Exército, os historiadores poderão reescrever importantes capítulos da história brasileira, inclusive aquela ensinada nas escolas. Poderemos saber mais dos bastidores, como do Brasil na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o período getulista, o “casamento” da Ditadura brasileira com outras ditaduras sul-americanas, debates internacionais e diplomáticos etc. Seria um grande salto para melhorarmos os níveis das pesquisas historiográficas nacionais.

2º aspecto: Com a abertura destes documentos para domínio público de pesquisadores, os interessados em ufologia poderão acessar muito do que a Marinha, o Exército e a Aeronáutica vêm supostamente escondendo da população, tais como a “Operação prato”, “O caso da Ilha Trindade”, “O caso dos homens das máscaras de chumbo”, etc. Como, por exemplo, o próprio caso que estamos falando no post de hoje: a “Noite oficial dos Ovni’s”. Isso é muito importante porque tal atitude remove muitos boatos, desmistifica muitos folclores e desbanaliza a realidade dos fatos emaranhados em teorias da conspiração, além de como nossos governos, no passado, lidaram com o “desconhecido”.




Voltando ao caso da “Noite oficial dos Ovni’s”...
O fato ocorreu na noite do dia 19 de maio de 1986, quando mais de vinte Ovni’s foram detectados pelos radares do Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA 1), sediado em Brasília. Esta revoada de Ovni’s durou mais de três horas, e foi observada no solo por testemunhas em Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. De acordo com as testemunhas da época, nos radares mais parecia que o país estava sendo invadido por objetos voadores não-identificados tamanha quantidade de pontos espalhados em áreas do Centro-Sul brasileiro.

Para se ter uma ideia de como tenha sido aquela noite de 1986, a situação chegou a tal ponto que o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Comdabra) considerou a segurança dos voos ameaçadas, principalmente no espaço aéreo do Estado de São Paulo, onde se concentra o maior número de rotas aéreas do país, e onde os Ovni’s estavam mais ativos nas imagens dos radares. Além disso, a segurança do país poderia estar ameaçada, pois se em vez de objetos voadores não-identificados, pudessem ser aviões invadindo o país indo atacar os principais centros: São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, por exemplo.

Com este quadro, o alto comando da Força Aérea Brasileira deflagrou duas operações de interceptação e perseguição a estes Ovni’s por caças F5 e Mirage III, uma partindo da Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, e outra da Base Militar em Anápolis, em Goiás. Mais de 50 aeronaves oficiais se espalharam pelo território nacional para investigarem de mais perto tais objetos, sendo que um dos objetivos era de abatê-los, caso realmente fossem aeronaves inimigas.


O mais interessante é que, em solo, a população via o movimento destes objetos voadores e se questionava o que era aquilo, enquanto a Aeronáutica e o Exército já se preparavam para uma possível guerra, uma vez que ainda não se sabia o que estava acontecendo no espaço aéreo nacional. No dia seguinte, o então ministro da Aeronáutica, o tenente-brigadeiro Octávio Júlio Moreira Lima, deu uma entrevista coletiva à imprensa, juntamente com os pilotos dos caças, confirmando os acontecimentos, e por isso os eventos daquela noite ficaram conhecidos como “Noite oficial dos Ovni’s”. Foi esta a primeira vez que o governo brasileiro reconheceu publicamente que estava lidando com algo de conhecimento obscuro, o que causou sensacionalismo entre a mídia.

Na época, houve intenso debate entre ufólogos, meteorologistas, físicos e astrônomos sobre o que teria acontecido no espaço aéreo brasileiro na noite de 19 de maio de 1986. Alguns céticos, outros mais crédulos, enquanto a imprensa se alimentava deste assunto para entrevistar testemunhas oculares de solo, enquanto pouco conseguia dos testemunhos dos militares.

Finalmente em 25 de setembro de 2009 foi divulgado o relatório oficial da Força Aérea Brasileira sobre o caso, que diz algo extremamente interessante e revelador: “Como conclusão dos fatos constantes observados, em quase todas as apresentações, este Comando é de parecer que os fenômenos são sólidos e refletem de certa forma inteligência, pela capacidade de acompanhar e manter distância dos observadores, como também voar em formação, não forçosamente tripulados”.

Ou seja, no relatório final do ocorrido naquela noite, os militares que estiveram nos céus observando e perseguindo os Ovni’s reconhecem que estavam lidando com alguma forma diferente de objeto voador, ainda desconhecido, e que tinha alguma forma de inteligência, uma vez que conseguia manter distância dos seus perseguidores, como também a maneira de voar em formação errática, o que é impossível até os dias de hoje para as aeronaves construídas na Terra.


Este caso se tornou um dos maiores clássicos da ufologia contemporânea em todo mundo, uma vez que foi uma das primeiras vezes que um governo oficialmente veio a público falar de um ocorrido, ao invés de se calar e se fechar em seus escritórios e arquivos. Também serviu de ferramenta preponderante para que a leitura dos arquivos brasileiros deve ser realizada com detalhe pelos pesquisadores a fim de reescrevermos a nossa história e conhecermos um pouco daquela que está guardada em acervos que antes eram inacessíveis e secretos.