quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Mitos, curiosidades, fatos e farsas (27)

Ao longo da história as sociedades passaram inúmeros mitos e curiosidades que foram – e ainda são – encarados como fatos. No entanto, não passam de folclores que escondem farsas incríveis e bastante inventivas. Vamos, então, descobrir um pouco delas? Voilà!

Por que é costume o noivo carregar a noiva no colo antes de entrar no quarto?
Na Roma Antiga havia o costume de untar óleo à porta, já florida, da nova moradia do casal. A noiva era então carregada casa adentro por dois amigos ou parentes do noivo, evitando o constrangimento de um escorregão no chão untado. O noivo a aguardava dentro de casa.

Qual a verdadeira origem da famosa caipirinha?
A caipirinha é uma bebida genuinamente brasileira e ganhou o mundo pelo seu sabor, e agora encontramos diversas caipirinhas que não são feitas somente com limão, mas também morango, maracujá etc. Sua origem data do século 18, nos tempos da escravidão. Após um dia fatigante e quente nos canaviais, os escravos matavam a sede com cachaça (também para se embriagarem e esquecerem um pouco tanta amargura de vida); para as crianças era feito uma espécie de “suco” acrescentando cachaça, limão e açúcar, tornando, assim, uma bebida mais palatável aos menores que já trabalhavam tanto.


Por que se chama Pacífico o mais violento dos oceanos?
Seu descobridor foi o português Fernão de Magalhães, que em 1519 partiu da Espanha para se aventurar no Novo Mundo. Ao cruzar o sul da Argentina e entrar no “outro” oceano, não encontrou maiores problemas durante a viagem, deu então o nome de Oceano Pacífico, sem jamais saber que aquelas águas “descobertas” são as mais perigosas e violentas do planeta. Um detalhe é que o sul da Argentina por onde ele passou hoje tem seu nome para a posteridade: Estreito de Magalhães, limite entre os Oceanos Atlântico e Pacífico.

Por que se diz que os membros da realeza têm sangue azul?
A Espanha e Portugal foram ocupadas pelos árabes do século 8 até o século 15 trazendo novos costumes e culturas. Isso irritou muito a aristocracia da região de Castela, que passou a se autodeterminar de “sangue azul”. Esta era uma forma de discriminar os seus conquistadores e ocupantes do território, de pele morena, uma vez que quanto mais branco, mais azulado o tom de pele pela evidência das veias.

Uma rápida história do Fusca, o carro mais popular da história mas que tem tudo a ver com Hitler...
A montadora chama-se Volkswagen, que em alemão seria uma tradução de “carros do povo”, curiosamente uma empresa criada por Hitler para que as classes mais baixas também tivessem carro a preço acessível. O famoso carro foi encomendado por Hitler a Ferdinand Porsche (o mesmo dos carros luxuosos Porsche) em 1935, que o desenhou e criou o primeiro motor refrigerado por ar. Assim, com a linha de produção, o Fusca ganhou a Alemanha e também o mundo. Outra curiosidade: Porsche também criou a logomarca da Volks, que é uma suástica estilizada com o “VW”, o que fascinou o Terceiro Reich.


Você sabe como diferenciar um animal carnívoro de um animal herbívoro?
De acordo com os biólogos, a maneira mais fácil de diferenciar um animal carnívoro de um herbívoro é reparando nos olhos. Os carnívoros (cães, gatos, ursos, leões etc.) possuem os olhos na parte de frente da cabeça, o que facilita localizar o alimento no momento da caçada. Já os herbívoros (algumas aves, coelhos, vacas, cavalos etc.) possuem os olhos do lado da cabeça para que possam perceber a aproximação de um possível predador.

Por que os quadros de Napoleão Bonaparte o retratam com a mão no peito?
Ninguém sabe ao certo qual doença acometia Napoleão. Ao longo da história, várias doenças foram atribuídas a ele, que é o personagem histórico mais estudado depois de Jesus Cristo. Historiadores divergem: úlcera, gastrite, cálculos, câncer etc. Em qualquer um desses casos, Napoleão seria obrigado a colocar a mão dentro do casaco para pressionar seu abdômen. Assim, os pintores que o retrataram (sempre com a mão dentro do casaco ou paletó) exaltavam seu sofrimento, dando à dor uma conotação heroica, pois apesar dela, Napoleão lutava pela França cometendo um “grande sacrifício”.


Qual a origem do costume de se bater na madeira para afastar maus fluidos?
Historicamente, a árvore a ser tocada era o carvalho, venerado por sua força, altura imponente e possíveis poderes sobrenaturais. O culto surgiu há cerca de 4 mil anos, entre várias tribos indígenas da América do Norte. Nessas culturas, ao observarem que o carvalho era atingido por raios frequentemente, entenderam que a árvore fosse a moradia dos deuses do céu e do relâmpago. Assim, os índios acreditavam que qualquer palavra ou pensamento de mau agouro poderia ser neutralizado batendo-se no carvalho, assim a pessoa estaria pedindo proteção aos deuses.