sábado, 27 de julho de 2013

“Buraco de minhoca” para viagens do espaço: já ouviu falar nisso?!

Este é um assunto um pouco complexo, mas muito fascinante; recentemente tem sido estudado com grande afinco pelos físicos, astrônomos e astrofísicos. O referido “buraco de minhoca” é ainda uma hipótese, mas nos leva a pensarmos ainda mais adiante e imaginarmos um futuro com viagens espaciais incríveis, como nos filmes de ficção científica. Assim sendo, esse “buraco” é uma característica topológica hipotética do espaço-tempo, a qual é, em essência, um “atalho” através do espaço e do tempo. De acordo com os astrofísicos, um buraco de minhoca possui ao menos duas “bocas” conectadas a uma única “garganta” ou “tubo”. Se o buraco de minhoca é transponível, a matéria pode “viajar” de uma boca para outra passando através da garganta. Embora não exista evidência direta da existência destes buracos, um contínuo espaço-temporal contendo tais entidades costuma ser considerado válido pela relatividade geral.



Mais explicações sobre o tema...
O termo “buraco de minhoca” (“wormhole” em inglês) foi criado pelo físico teórico John Wheeler em 1957. Todavia, a ideia dos buracos de minhoca já havia sido proposta em 1921 pelo matemático alemão Hermann Weyl em conexão com sua análise da massa em termos da energia do campo eletromagnético. O nome “buraco de minhoca” vem de uma analogia usada para explicar o fenômeno. Da mesma forma que um verme que perambula pela casca de uma maçã poderia pegar um atalho para o lado oposto da casca da fruta abrindo caminho através do miolo, em vez de mover-se por toda a superfície até lá, um viajante que passasse por um buraco de verme pegaria um atalho para o lado oposto do universo através de um túnel topologicamente incomum.


Caracterizar buracos de minhoca entre universos paralelos é bem mais complicado. Por exemplo, alguém poderia imaginar um universo “bebê” conectado ao seu “progenitor” por um “cordão umbilical”. O “cordão” poderia ser também encarado como a garganta do buraco de minhoca, mas o espaço-tempo está simplesmente conectado.

Buracos de minhoca intrauniversos conectam um local em um universo a outro local do mesmo universo (no mesmo tempo presente ou não presente). Um buraco de minhoca deverá ser capaz de conectar locais distantes no universo criando um atalho através do espaço-tempo, permitindo viajar entre eles mais rápido do que a luz levaria para transitar pelo espaço normal. Buracos de minhoca interuniversos conectam um universo a outro. Isto dá margem à especulação de que tais buracos poderiam ser usados para viajar de um universo paralelo para outro. Um buraco de minhoca que conecta universos (geralmente fechados) é frequentemente denominado como “wormhole de Schwarzschild”. Outra aplicação para um buraco de minhoca poderia ser a viagem no tempo. Neste caso, é um atalho de um ponto no espaço-tempo para outro.


Sabe-se que buracos de minhoca não são excluídos do arcabouço da relatividade geral, mas a plausabilidade física destas soluções é incerta. Também não se sabe se uma teoria de gravitação quântica, que juntasse a relatividade geral com a mecânica quântica, ainda permitiria a existência deles.

Entrando em um buraco de minhoca...
Mesmo se alguém encontrasse um buraco de minhoca e viajasse através dele, os cientistas não têm certeza sobre como isso afetaria o indivíduo. Alguns acreditam que um buraco deste não se manteria estável por tempo suficiente para permitir a travessia. E existem teorias que sugerem que mesmo que ele permaneça estável, o viajante seria alterado de formas indeterminadas e poderia experimentar danos ao coração ou cérebro, e possivelmente até a morte por conta de pressões, gravidades, radiações etc.


Resumo da ópera...
Físicos e teóricos acreditam exitirem buracos de minhoca criados naturalmente em todo o universo pela física da imensa força gravitacional de buracos negros. Mas o consenso é de que seja praticamente impossível o ser humano experimentar uma viagem espacial por esses “atalhos” dentro do espaço.