sábado, 15 de junho de 2013

Tipologia extraterrestre: debatendo como seria a aparência dos nossos “irmãos” aliens...

Na cultura pop são comuns as especulações sobre a existência de várias raças de seres alienígenas e até são nomeadas. Assim, haveria uma “tipologia extraterrestre”. Relatos sobre ocorrência de abduções são frequentemente divulgados e quase sempre com destaque na mídia. Os que afirmam terem sido abduzidos ou tido algum tipo de contato costumam descrever, às vezes, pormenorizadamente, os seres e o evento em si. Mas não existem provas de que essas abduções realmente tenham ocorrido.

O campo científico parece dividir-se: uns são totalmente céticos em relação à existência de vida inteligente fora do planeta Terra, mas existem aqueles que levantam a hipótese de que possa ocorrer, justificando, inclusive, programas governamentais que investem recursos exorbitantes na busca de informações: o Programa SETI desenvolvido pela NASA é um deles.

Alguns consideram não ser nem especulação “científica”, mas pura “ficção científica”. Mas é, no mínimo, um dado sociológico relevantíssimo o fato de que uma parcela muito significativa da sociedade acredite na existência de seres extraterrestres, classifique-os, relatem contatos; da mesma forma, uma boa parcela acredita em seres mitológicos, em fadas e duendes, em magos e feiticeiras, ou na possibilidade da reencarnação, na existência do paraíso celeste etc.


No entanto, vale ressaltar que há a corrente da ciência que estuda e acredita na vida fora da Terra, mas não sendo ela inteligente, sendo, portanto, composta de micro-organismos, vírus, bactérias em geral etc. Por isso estudam tanto meteoritos que caem no solo do nosso planeta, na incansável busca por algum sinal de vida, mesmo que microscópica. Esse ramo chama-se “exobiologia” ou “astrobiologia”.


Entretanto, não é tão simples assim. Estruturas diferenciadas de pensamento convivem dentro de um mesmo universo cultural e passado o predomínio da corrente evolucionista, as respostas para determinadas questões mudaram drasticamente. São inúmeras as crenças, e estas, dentro de uma mesma tradição cultural, apresentam, às vezes, muita diversidade. Basta atentar para as dezenas ou centenas de denominações cristãs, ou das correntes que o islamismo apresenta. Ou seja, um mesmo assunto pode gerar correntes parecidas, mas diferentes entre si de uma maneira, ou de outra.

A física moderna tem um discurso muito similar, por exemplo, ao das mais refinadas cosmologias religiosas. Explicar isto é um dos grandes desafios que percorrem o campo científico a partir das últimas décadas do século 20. Os livros de Fritjof Capra fizeram imenso sucesso por conta disso.

Tipologia extraterrestre e vida inteligente fora da Terra...
Quando se fala de tipologia extraterrestre ou em vida fora do planeta Terra, o imaginário popular ainda reporta aos tipos recorrentes no campo da ufologia. Não se trata apenas disto. A vida fora da Terra é um objeto constituído no campo da ciência acadêmica que já conta com disciplinas especializadas, como a exobiologia (ou xenobiologia, ou astrobiologia). A tipologia extraterrestre seria um estudo de reunir relatos de supostas testemunhas e, assim, tentar identificar como seria a constituição física de tais seres, por isso ainda é um campo relegado, deixado de lado, visto como pseudociência.


Projetos científicos especiais...
1. O Projeto Argus é um consórcio envolvendo cinco mil pequenos radiotelescópios ao redor da Terra para que, coordenados, façam escuta radioastronômica, numa busca de sinais em micro-ondas que sejam de possível origem extraterrestre inteligente;

2. O Projeto Cíclope foi um projeto elaborado em 1971 por uma equipe de cientistas da American Society for Engeneering Education, liderada pelos físicos Bernard Oliver e Jonh Billingham, nos Estados Unidos. Este projeto não entrou em execução em virtude do alto custo que equivalia ao orçamento de todo o Programa Apollo. Seu objetivo era desenvolver os veículos de captação de sinais de uma civilização extraterrestre tecnológica. A NASA, entretanto, desenvolveu, posteriormente, um projeto muito mais ambicioso: o programa SETI;

3. O Projeto DaedalusPB, ou Projecto DédaloPE foi um estudo conduzido entre 1973 e 1978 pela Sociedade Interplanetária Britânica com intuito de projetar uma espaçonave interestelar com tecnologia da época ou disponível em poucos anos, capaz de alcançar o seu destino no período de uma geração humana. Uma missão não tripulada de 50 anos foi planejada. O objetivo seria alcançar a Estrela de Barnard a cerca de seis anos-luz qual se acreditava abrigar ao menos um planeta, no entanto evidências posteriores não corroboraram a presença de um sistema planetário. Ademais, seria uma missão científica não tripulada e deveria ter a flexibilidade de explorar também outras estrelas num determinado raio de ação. Cerca de uma dúzia de cientistas e engenheiros liderados por Alan Bond trabalharam no projeto determinando a propulsão por um foguete de fusão;

4. Há ainda os ambiciosos projetos SETI e Arecibo, que merecem posts mais detalhados futuramente neste blog, pela curiosidade em si e pela complexidade das suas pesquisas. Também há as sondas Voyager, que estão vagando pelo Sistema Solar buscando informações sobre planetas distantes, já se distanciando da fronteira do nosso Sistema Solar, na busca de vida inteligente. Há posts específicos sobre as Voyager neste blog.



O que houve em Roswell...
O Caso Roswell diz respeito a um rumoroso acontecimento que teria transcorrido na localidade de Roswell, no Estado do Novo México, nos Estados Unidos, em julho de 1947, onde supostamente um disco voador teria caído. O assunto é motivo de muitas discussões e especulações. O governo americano é acusado de sonegar informações sobre o caso e uma pesquisa feita pela rede de televisão CNN apontou que 80% dos entrevistados estavam convencidos disto. Uma das suposições é a de que neste incidente teria sido capturado algum espécime extraterrestre, enquanto o governo alega que eram bonecos de testes.

A área 51...
Área 51 (fotos abaixo) é uma área militar restrita no deserto de Nevada. Oficialmente, é apenas mais umas das inúmeras áreas militares restritas no país, mas, é conhecida mundialmente pela série de acontecimentos nos anos 70 possivelmente envolvendo o contato do exército estadunidense com extraterrestres. Há inúmeros documentários, livros e filmes que tratam sobre o tema, mas a Casa Branca nunca admitiu ou confirmou que tenha ocorrido. Há um post específico neste blog sobre a Área 51.



O meteorito ALH84001...
O ALH84001 (Allen Hills, 1984 #001) (foto abaixo) é um meteorito descoberto em Allen Hills, na Antártica, em dezembro de 1984, por uma equipe de exploradores do Projeto ANSMET. Este meteorito, que teria se desprendido de Marte, tem sido muito estudado e gerado muita polêmica em virtude de apresentar estruturas que alguns cientistas afirmam ser microfósseis de tipos extraterrestres com características similares às das espécies bacterianas da Terra. É muito contestada esta afirmação e ainda não se chegou a um consenso sobre o assunto; contudo, os cientistas afirmam que esta é a única prova de que já tenha havido vida em outros planetas fora da Terra.


Tipos recorrentes na ufologia...
De acordo com os ufólogos e possíveis testemunhas de abduções, existem algumas “raças” de alienígenas que são mais comuns. São eles: pleiadianos, reptilianos, greys e até os chupacabras. Recentemente publiquei neste blog posts referentes a alguns destes possíveis seres. A ficção científica, principalmente o cinema, adora se basear nestes relatos e falar sobre estes seres “poderosos e estranhos”.

A lista de personagens, quadrinhos e filmes que aparecem estes seres é bastante grande e, com certeza, o leitor poderá se recordar de vários destes que vieram de outros planetas e galáxias e conseguem conviver na Terra, ou fazendo o bem, ou fazendo o mal.


De um modo geral, podemos perceber que a antropomorfização de seres alienígenas é grande. Suas características físicas são humanoides, o que leva a perceber que há grande influência da cultura pop sobre este tema. O assunto não fica encerrado neste post, mas pelo contrário: vai muito além destes pequenos parágrafos lembrando que os erros de identidade são extremamente comuns, haja vista o caso dos chupacabras.