terça-feira, 19 de março de 2013

Você sabe o que realmente é uma teoria da conspiração?

Você que tem acompanhado o nosso blog, com certeza reparou que frequentemente falamos sobre “teorias conspiratórias”, muitas vezes com o objetivo de desbanalizá-las e mostrar o real caráter de seus discursos perante a sociedade. É bem verdade que tais teorias de conspiração podem ser verdades ocultas para sociedade, entretanto em sua maioria são delírios teóricos e anacrônicos, que podem evidenciar a falta de preparo científico para analisar determinados acontecimentos, principalmente através do que os historiadores chamam de anacronismo – analisar tempos e sociedades diferentes com pressupostos que não se aplicam a tal análise.

Mas afinal de contas, o que é uma teoria da conspiração?


De acordo com especialistas, uma teoria da conspiração é qualquer teoria que tenta explicar um evento histórico, político, econômico, sociológico ou cultural – da atualidade ou do passado – como sendo resultado de um plano secreto levado por “conspiradores maquiavélicos” e poderosos, tais como sociedades secretas ou grandes atores mundiais, como os governos das principais economias.

Assim, se algo acontece na história cuja explicação se torna obscura demais – como os atentados em 11 de setembro contra as Torres Gêmeas, por exemplo –, com supostas explicações controversas e ações de grande interesse das potências, estudiosos começam a levantar dados paralelos que explicariam motivos “sombrios” para tais ocorrências.

As teorias da conspiração são muitas vezes vistas com ceticismo exagerado e por vezes ridicularizadas e desacreditadas, uma vez que raramente são apoiadas por alguma evidência conclusiva, contrastando com a análise institucional, cujo foco é o comportamento coletivo das massas em instituições conhecidas do público, tal como é descrito em materiais acadêmicos e relatos da mídia, de modo a explicar acontecimentos históricos ou atuais sob o ponto de vista dominante (governos, instituições, opinião pública popular), ao invés de associações secretas de indivíduos. Por este motivo, o termo “teoria da conspiração” é muitas vezes usado de forma depreciativa, na tentativa de desacreditar e caracterizar uma dada crença como bizarra, irracional e falsa, cujo apoiante é ridicularizado e considerado um excêntrico, ou um grupo de lunáticos.


No final do século 20 e início do século 21, as teorias da conspiração tornaram-se um lugar comum nos meios de comunicação, principalmente blogs da internet, o que contribuiu para o conspiracionismo emergente enquanto fenômeno cultural, junto com as lendas urbanas. Acreditar em teorias da conspiração tornou-se, assim, num tema de interesse para sociólogos, psicólogos e es pecialistas em folclore.