sábado, 5 de janeiro de 2013

O Tio Sam e a lenda de um barril de carne...

Samuel e Ebenezer Wilson afirmavam categoricamente que possuíam a maior empresa de carnes enlatadas de Nova York, capaz de abater e embalar diariamente mais de 150 cabeças de gado. Consequentemente, quando os Estados Unidos entraram em guerra com a Grã-Bretanha, em 1812, os irmãos, seguros de si mesmos, procuraram conseguir – e obtiveram – um contrato para o abastecimento de barris de carne de vaca e de porco às tropas no front.

Samuel Wilson (foto abaixo) ficou encantado com a grande oportunidade de triplicar seu negócio. Era um homem jovial e popular, conhecido como Tio Sam, cujo chapéu alto e cabelereira grisalha se destacavam na comunidade. Era sempre com muita satisfação que permitia aos visitantes percorrerem a sua fábrica no condado de Troy, se quisessem ver a sua imensa produção.


Um dia, um dos visitantes, que notou que todos os barris tinham marcadas as iniciais E.A.–U.S. (que representavam o contratante governamental Elbert Anderson e United States), perguntou a um dos trabalhadores o que aquelas marcam significavam. “Na verdade não sei, a não ser que queiram dizer Elbert Anderson e Uncle Sam (Tio Sam)”, respondeu o rapaz.

A graça não tardou a difundir-se. Os visitantes contaram-na em suas casas e os empregados da firma que foram mobilizados também a levaram para o exército. Os caricaturistas aproveitaram a ideia da década de 1830 e, embora o próprio Sam tivesse morrido em 1854, o Congresso outorgou-lhe finalmente um local permanente no coração da nação. Em 1861 aprovou uma resolução reconhecendo Samuel Wilson como um dos símbolos dos Estados Unidos, junto à estrela e à águia.


Há fontes que, atualmente, veem enorme semelhança do rosto de Tio Sam com o presidente Andrew Jackson; outras, com o presidente Abraham Lincoln. Mesmo com o congresso americano o colocando como um símbolo importante do folclore americano, ele só ficou popular graças às charges da revista “Punch”.

O famoso cartaz “I want you”...
Em 1917, o artista James Flagg desenhou Tio Sam em um cartaz com o dedo em riste, e com a frase “I want you for U.S. Army” – “Eu quero você para o Exército dos Estados Unidos” –, encomendado pelas Forças Armadas americanas, que recrutava soldados para a Primeira Guerra Mundial. Este pôster foi inspirado pelo cartaz de Lord Kitchner, feito três anos antes do Tio Sam. Kitchener era o Secretário de Guerra da Grã-Bretanha quando estourou o conflito. Tio Sam foi um símbolo histórico do exemplo de poder dos norte-americanos. Os Estados Unidos, para mostrar mais superioridade ainda, fez frases para incentivar as pessoas que iam pra guerra lutar por seu país como: “Continuemos unidos”, ou “Deus abençoe a América”.



Graças a esta série de cartazes, Tio Sam não só tornou-se o símbolo folclórico maior da cultura norte-americana, como também virou a quase personificação da dominação dos Estados Unidos em todo o mundo.