terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Avrocar: a base real para os discos voadores...

Muitas pessoas ao redor do mundo afirmam categoricamente terem visto objetos estranhos voando, em formato de disco; são os discos voadores. Outros tantos chegam a afirmar que foram abduzidos por seres que controlavam tais veículos espaciais e sofreram experiências traumáticas e terríveis. O que poucos sabem, na realidade, é que houve uma linha de veículos que realmente tinham formato discoide. Você já ouviu falar no Avrocar? Pois é, este é um tema polêmico entre ufólogos, engenheiros e militares!


O Avrocar, na realidade, chamou-se Avro Canada VZ-9, desenvolvido pela Avro Aircraft do Canadá como parte de um projeto militar secreto dos Estados Unidos durante a Guerra Fria (1945-1989). Tal aeronave tinha como objetivo explorar o impulso vertical com motores nas bordas do veículo. Por isso, no ar, ele se assemelhava muito aos famosos discos voadores.

De acordo com os historiadores da área militar, inicialmente foram construídos dois protótipos como veículos de teste da Força Aérea dos Estados Unidos. Mais tarde, outras unidades foram encomendadas e construídas para outros testes ao redor da América do Norte, o que poderia explicar a visão de aeronaves estranhas nas proximidades de importantes bases aéreas.

No geral, o Avrocar provou que poderia voar através do impulso vertical, mas havia graves problemas de estabilidade e de dirigibilidade, o que o deixou com baixíssimo desempenho em um momento importante da história, a iminência de um conflito entre as duas maiores potências da época. Assim, em setembro de 1961, o governo norte-americano cancelou o contrato e deu fim ao projeto.



A concepção do Avrocar é muito mais antiga; teria nascido em 1942 na Grã-Bretanha, quando engenheiros aeronáuticos pensaram que uma nave em forma de disco poderia se mover mais rápido por conta da aerodinâmica, como um brinquedo frisbee. Assim, a canadense Avro Aircraft comprou a ideia e vendeu ao governo norte-americano enquanto este gastava bilhões de dólares em projetos que tornassem seu sistema mais competitivo que o soviético.

Em geral, foram produzidos pelo menos seis Avrocars para testes diversos em bases aéreas ao redor dos Estados Unidos, dentre elas a famosa Área 51. Cada “disco voador” teve pelo menos 75 horas de voo durante estes testes, o que é considerado muito pouco e comprova o fracasso total do projeto, que consumiu muito dos cofres americanos. Contudo, até hoje é a única aeronave com formato discoide já construída. Desde 1984, um dos exemplares desta estranha nave está em exposição no Museu Nacional Aeroespacial dos Estados Unidos e causa sensação nas crianças, quando elas veem ao vivo um verdadeiro “disco voador”.



Começa a teoria da conspiração com o Avrocar...
Nem sempre as coisas são tão fáceis como parecem ser à primeira vista. Os testes com protótipos do Avrocar causaram verdadeiro furor na comunidade ufológica ao longo dos anos 50 e 60. Alguns ufólogos diziam que aquela era a prova cabal de que os governos tinham contato frequente com alienígenas e troca de informações para desenvolvimento tecnológico.

Outra corrente dizia que este era um contato compulsório. Desde o incidente em Roswell e o caso Aztec, falava-se que o governo norte-americano escondia provas importantes em suas bases, como naves interplanetárias, e realizava experimentos de engenharia reversa para entendimento do funcionamento destes equipamentos; com isso, esta corrente de ufólogos compreendeu que o Avrocar era uma tentativa terráquea de construção de Ovnis, entretanto malsucedida pela falta de tecnologia que os aliens já possuíam então e que ainda desconhecíamos.

Apesar de tantas teorias da conspiração envolvendo o Avrocar, o que podemos ter de certeza é que este foi um dos vários projetos estranhos empreendidos pelas potências mundiais nos anos da Guerra Fria. Projetos estes que consumiram dinheiro desnecessariamente dos contribuintes norte-americanos e/ou soviéticos. Esta aeronave entra para a história pela sua estranheza e, atualmente, fascínio pelo bizarro.