sábado, 15 de dezembro de 2012

Mitos, curiosidades, fatos e farsas (14)

Ao longo da história as sociedades passaram inúmeros mitos e curiosidades que foram – e ainda são – encarados como fatos. No entanto, não passam de folclores que escondem farsas incríveis e bastante inventivas. Vamos, então, descobrir um pouco delas? Voilà!

Fazer um negócio da China tem realmente a ver com a China?
Sim, tem. A expressão teve origem há muitos séculos, no século 13, após a viagem do italiano Marco Polo até lá. Com a divulgação de suas histórias, a China ficou conhecida como um lugar cheio de coisas exóticas, pessoas diferentes, comidas mirabolantes, negociadores astutos etc.

O que o nepotismo tem a ver com a Igreja Católica?
A palavra teve origem no latim “nepote”, que significava “sobrinho” ou “aquele que é favorito”. Com o tempo, “nepote” passou a significar os funcionários preferidos do papa, em Roma. Como há muitos séculos o papado era um jogo de poder entre as famílias mais ricas da Europa, esses favoritos chamados aos altos cargos eram, justamente, parentes do papa. Assim nasceu o nepotismo, o ato de empregar parentes.


O que as notas musicais têm a ver com a Igreja?
Há uma ligação muito estreita entre as sete notas musicais e a religião. No início do século 11, o monge mestre do coral da catedral de Arezzo, na Itália, criou os nomes das notas musicais usando as sílabas do hino a São João Batista:

Ut queant laxis
Resonare fibris
Mira gestorum
Famuli teorum
Solve polluti
Labii reatum
Sancte Ioannes!

No século 18, a primeira nota mudou de nome, de “ut” para “”, que era mais sonora para o canto. Mas vale notar que essa classificação funciona nos países de tradição latina. No inglês, por exemplo, as notas musicais seguem a ordem alfabética: A, B, C, D...

De onde vem o “obrigado” como agradecimento?
Tudo tem origem no latim “obligatus”, que significa “estar ligado”, “estar amarrado”. O agradecimento é uma forma mais curta de uma frase, “Fico obrigado em lhe retribuir tal favor”. E é por este motivo que, gramaticalmente, a mulher deve responder “obrigada”.

Como surgiu a expressão “onde Judas perdeu as botas”?
Todos conhecemos a história bíblica: Judas foi o apóstolo que traiu Jesus e ainda beijou-lhe a face. Atormentado com tamanho arrependimento pelo que fez, suicidou-se. Judas não usou botas porque elas só foram inventadas na Idade Média para proteger os pés da neve. A expressão surgiu nessa época, que diziam que os suicidas não iam para o céu nem para o inferno – e naquela época a Igreja ainda não havia inventado o purgatório. Assim, Judas estava condenado a vagar eternamente pela Terra, sem destino. Desta maneira, “onde Judas perdeu as botas” tornou-se expressão medieval de um lugar muito distante e desconhecido, onde ninguém gostaria de ir.


Estar salvo por um triz tem a ver com cabelo?
Sim, tem. Curiosamente, “triz” não existe em outro idioma latino, somente no português. Tem origem em “trikhós”, “cabelo” em grego. Assim, estar salvo por um triz é o mesmo que salvo por um fio de cabelo, a uma curtíssima distância, por muito pouco.