quarta-feira, 14 de março de 2012

Você já ouviu falar no Priorado de Sião?

Existiram ao longo da história várias sociedades secretas; algumas delas permanecem vivas e ainda cultuam a nossa cultura: esse é o caso da maçonaria, da Ordem Rosa-Cruz e do Priorado de Sião, esta fundada em 1956 por Pierre Plantard. Muito se tem de folclore e mito em torno do Priorado, como dizer que teria sido fundado em 1099 para proteger o Santo Graal, até mesmo sendo descendentes diretos de Jesus Cristo.


Recentemente publiquei um post falando sobre a farsa que é a história do Santo Graal, se resumindo a uma confusão folclórica da Europa que envolve paganismo e cristianismo. Você pode ler o texto clicando aqui.

Recentemente também publiquei um texto com algumas considerações sobre a maçonaria, talvez a mais importante ordem secreta da nossa história. Leia clicando aqui.

O Priorado de Sião se tornou assunto de controvérsia histórica e religiosa durante as décadas de 1960 e 1980. Durante o período de 1980 foi alegado pelo próprio Plantard que o Priorado não passava de uma conspiração com o objetivo de restaurar a monarquia francesa.

Algumas considerações sobre o Priorado de Sião...
I Consideração: A escolha do nome nada tem de místico, mas sim faz referência a um bairro da cidade de Annemasse (onde a ordem foi fundada nos anos 50). Mont Sion é onde os fundadores se reuniam.

II Consideração: Os fundadores se diziam no primeiro regulamento, de 1956, como defensores da Igreja Católica, numa tentativa de ligarem-se aos Templários da Idade Média. Você pode ser algumas considerações sobre os Templários em um post antigo deste blog clicando aqui.

III Consideração: No final do ano 2000, com a morte do fundador, Plantard, o governo francês declarou o Priorado de Sião totalmente extinto e sem atividades. É notório que nenhum cidadão francês possui direitos sobre o seu nome e estatuto, nem mesmo os descendentes do seu fundador.


Tentativas de mistificações e da criação de uma mitologia...
Pierre Plantard (foto abaixo) queria forçar as pessoas a acreditarem que sua sociedade “secreta” tinha raízes históricas bastante profundas, o que não é verdade. Nicolas Flamel (alquimista), Leonardo Da Vinci, Isaac Newton, Botticelli, Victor Hugo, entre outros, seriam membros do Priorado de acordo com o fundador. Historiadores apontam que não há relação alguma entre essas pessoas e uma sociedade católica do século 20.

Uma das maiores polêmicas apareceu em 1964, quando membros do Priorado tentaram forjar documentos conhecidos como “Dossiês secretos” para legitimar Plantard como descendente direto dos merovíngios e, portanto, um suposto herdeiro do trono francês. Hoje essas anotações estão guardadas na Biblioteca Nacional de Paris.


Ao longo de toda a sua vida, Plantard e seus amigos do Priorado tentaram forjar documentos para confirmar teorias medievais folclóricas da França: o Santo Graal, o destino dos herdeiros de Carlos Magno, a suposta chegada de Santa Maria à França após a morte de Jesus etc. Atitudes como essas acabaram irritando as sociedades de pesquisas teológicas e historiográficas francesas, uma vez que desviavam o foco e atrapalhavam as pesquisas realmente sérias.

O início do fim de uma série de fraudes...
Em 1989, Pierre Plantard, desgastado pela progressiva divulgação na França da natureza fraudulenta da sua criação, decidiu negar a teoria de que o Priorado de Sião dataria de 1099 e teria sido fundado por Godofredo de Bulhão, mudando a data de fundação para 1681. Por fim, ele confessou perante a Justiça, em 1993, ter criado esta sociedade com o objetivo de legitimá-lo para o trono de França, alegando ser herdeiro de Carlos Magno.

Depois disso, muitos diretores e autores resolveram fazer fortunas enormes lançando livros e documentários deixando dúvida sobre a realidade do Priorado de Sião, alguns alegando que o fundador teria sido forçado pelo governo francês a negar sua teoria, numa mistura incrível de teorias da conspiração. Um dos que fez fortuna foi Dan Brown em sua série de livros que misturam todos os tipos de teorias históricas, num ecletismo absurdo.


No final das contas, o Priorado de Sião é uma sociedade pouco secreta que está morta depois que seu único comandante morreu. Repleta de farsas e de tentativas vergonhosas de mudar o rumo da história em prol de uma única pessoa, caiu no esquecimento para a maioria, mas mais permanece como uma ordem viva na cabeça das pessoas que adoram acreditar em teorias da conspiração.