sábado, 11 de fevereiro de 2012

De onde vem a constituição humanoide dos ET’s?

Quando falamos em extraterrestres, quando vemos filmes com ET’s, quando alguém relata o avistamento de um ser de outro planeta, geralmente traz consigo o mesmo tipo físico estereotipado: um ser de estatura mediana (1m50), pele bastante lisa, sem pelos, cabeça ovalada, grandes olhos negros, pequenas narinas, braços bem compridos. É assim que a sociedade contemporânea vê os ET’s.



De acordo com alguns astrônomos e ufólogos, a cultura ocidental criou esta figura humanoide para os seres de outros mundos para não termos aquela ideia de que somos sozinhos neste universo sem limites. Assim, se nós fôssemos de estrutura cúbica, nossos ET’s também seriam de um imaginário cúbico da mesma forma.

No entanto, quem defende a teoria humanoide para os extraterrestres pontua que há muitas referências biológicas para que isso seja verdade. A primeira é aquela que crê no ser humano como uma hibridação de uma raça alien – há pessoas que chegam a dizer que o faraó egípcio Akhenaton fosse um ET! Quem exemplifica essa teoria muito bem é o astrônomo Rogério Mourão no “Livro de ouro do universo”.

1º Os olhos devem ficar no topo da cabeça para servir de vigilância. Geralmente são dois olhos porque num ser de grande estatura muitos olhos demandariam operações complexas demais do cérebro;

2º Dois braços e duas pernas também são essenciais porque, da mesma forma anterior, um ser inteligente e de grande estatura dependeria de operações cerebrais complexas demais para coordenar seis ou oito membros. Na natureza não há seres grandes com mais de quatro membros;

3º Olhos, boca e nariz na cabeça, pois ficam próximos ao cérebro, o que deixaria mais apurados os sentidos básicos, auxiliando no processo de evolução dessas espécies;

4º O argumento mais forte: olhando para a natureza, vemos que os animais de espécies diferentes, geralmente, têm a constituição física parecida aos demais. Cobras, leões, pássaros, pessoas, peixes: todos têm a bioformação parecida como os três pontos anteriores: dois olhos, boca, narina etc.



Ou seja, é um assunto que pode ser aprofundado através de mais leituras e mais pesquisas. Um mundo fascinante que pessoas continuam buscando respostas justamente para não dar ao homem uma condição tão desoladora: a possibilidade de estar sozinho na imensidão universal.