quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Os vikings descobridores da América...

Os vikings sempre foram conhecidos como mestres dos mares do norte da Europa. Fundaram colônias por toda Escandinávia, passando pela Escócia, Irlanda e Islândia. Chegaram até a Groenlândia e lá, também, fundaram algumas vilas na alvorada do século nono. No entanto, poucas pessoas sabem que os escandinavos chegaram à América (Canadá) 400 anos antes de Cristóvão Colombo descobrir oficialmente o continente.

Especialistas apontam que essa colonização é bem real, mas não entra para os livros de história porque não teve um efeito desestabilizador tão grande como as colonizações ibéricas da época das Grandes Navegações. O objetivo dos vikings ao chegar à América foi ter o domínio das rotas de navegação e a cobrança de direitos para a venda de animais e outros bens na Europa.

As viagens, descobrimentos e assentamentos vikings na América foram escritos pela primeira vez em duas sagas: a dos groenlandeses escrita no ano 1200, e a de Erik Vermelho, escrita no ano 1260. São relatos de autores anônimos que misturam ficção e realidade sobre os acontecimentos dos séculos, antes transmitidos oralmente.

Segundo contam as sagas islandesas, os vikings da Islândia chegaram pela primeira vez à América pela Groenlândia no ano de 982. Naquele momento, a colônia consistia em dois assentamentos, cuja população total variava ente três e cinco mil habitantes. Um dos principais assentamentos foi em Vinland, no Canadá (foto abaixo), mas vou deixar a temática para um post em separado, por ter um contexto muito maior e informações mais amplas.


O declínio das colônias iniciou no século 14 e os assentamentos começaram a ser abandonados perto de 1350. O mais provável é que no século 15 já não havia assentamentos vikings na América, apesar de não existir uma data certa, precisa para esse acontecimento. Foram propostas diversas teorias que explicariam as razões da decadência e desaparecimento desses assentamentos, mas nada é muito conclusivo.

Apesar da perda de contato com os assentamentos da Groenlândia, o governo dinamarquês continuou considerando a Groenlândia como sua possessão e a existência da ilha nunca foi esquecida pelos geógrafos europeus. Até hoje a ilha é uma possessão dinamarquesa.


Durante muitos anos, duvidou-se da autenticidade das sagas, até que em 1837, o arqueólogo dinamarquês Carl Christian Rafn descreveu os indícios de assentamentos vikings na América do Norte. Na década de 1960, foi comprovada a base histórica das sagas ao escavar um assentamento no Canadá.

O fascinante é saber que na alvorada da Idade Média um povo lançou-se ao mar, desbravou terras desconhecidas e teve contato com habitantes locais que não tinha nenhum tipo de afinidade cultural, principal motivo apontado pelos historiadores para a debandada de volta à Europa.